LISBOA - PORTUGAL

2016-07-09

PRAÇA DAS AMOREIRAS - JARDIM - RESERVATÓRIO DA MÃE D’ÁGUA


AQUEDUTO DAS ÁGUAS LIVRES















Portalão nas Amoreiras - Lisboa

Fotografia © RÓ MAR



   JARDIM  das AMOREIRAS - MARCELINO MESQUITA



O Jardim das Amoreiras, formalmente intitulado Jardim Marcelino Mesquita (homenagem ao escritor e dramaturgo) situado na Praça das Amoreiras, freguesia de Santo António, em Lisboa.

Com uma área de seis mil metros quadrados, o jardim é delimitado em parte pelo Aqueduto das Águas Livres e encontra-se sobre a Mãe d'Água, local de abastecimento histórico de água à cidade de Lisboa e actual Museu da Água.

Também delimitando parcialmente o jardim encontra-se a Fundação Árpád Szenes-Vieira da Silva, instalada na antiga fábrica das sedas, a capela de Nossa Senhora de Monserrate e diversas habitações do século XVIII, construídas originalmente para albergar os trabalhadores da fábrica das sedas.

A capela de Nossa Senhora de Monserrate encontra-se junto ao quinto arco do aqueduto e foi construída por ordem da Irmandade dos Fabricantes de Seda, durante o século XVIII.

No centro do jardim encontra-se um fontanário de forma circular, que é ladeado por bancos de pedra.







Jardim das Amoreiras - Jardim Marcelino Mesquita

Praça das Amoreiras - Lisboa

Fotografia © RÓ MAR



Jardim Marcelino Mesquita (Escritor e Dramaturgo) - Banco de pedra (homenagem a Antero de Quental)


" Quantas vezes de súbito emudeces
Não sei que luz em teu olhar flutua
Sinto tremer-te a mão e empalideces.

O vento e o mar murmuram orações
E a poesia das coisas se insinua
Lenta e amorosa em nossos corações."

Antero de Quental



Capela de Nossa Senhora de Monserrate



Edificada em 1768, entre os arcos do Aqueduto das Águas Livres, pelos Fabricantes de Seda, foi dedicada a Nª Senhora de Monserrate em homenagem à padroeira dos artífices franceses, que vieram para a Real Fábrica.

Templo de planta oitavada e cúpula simples, completada por uma zona rectangular, a capela-mor, coberta por abóbada de aresta abatida. Apresenta uma fachada simples de frontão triangular, porta de moldura lisa, janela e óculo. No interior destacam-se os altares de madeira pintada a imitar mármore, inspirados no neoclassicismo rocaille (estilo artístico inspirado nas formas e linhas da natureza, surgido na França em finais do século XVII), a cúpula revestida por pintura a têmpera, de influência rocaille, com recurso a conchas transformadas e grinaldas de flores campestres, associadas ao simbolismo da Virgem Maria representada ao centro e os painéis de azulejos azuis e brancos da antiga Fábrica do Rato.

Descrição: http://www.cm-lisboa.pt/equipamentos/equipamento/info/capela-de-nossa-senhora-de-monserrate

Praça das Amoreiras - freguesia de Santo António - Lisboa

Fotografia © RÓ MAR







Jardim das Amoreiras - Praça das Amoreiras - Lisboa 

Fotografia © RÓ MAR


Ginásio Clube Português, Lisboa (vista do Jardim das Amoreiras)

Fotografia © RÓ MAR



Rua das Amoreiras, Lisboa (vista do Jardim das Amoreiras)

Fotografia © RÓ MAR


Capela de Nossa Senhora de Monserrate, Lisboa (vista do Jardim)

Fotografia © RÓ MAR



Praça das Amoreiras - Lisboa

Fotografia © RÓ MAR 






Travessa das Águas-Livres - Lisboa

Fotografia © RÓ MAR

Localização:


Pátio do Bagatela, Porta A- Porta I; Travessa da Légua da Póvoa, 9 (Pátio, A- I) e 11-11D;

Pátio do Bagatela, Porta U- Porta X; Rua de Artilharia Um, 45-53;

Travessa da Légua da Póvoa, 9 (Pátio, U-X) e 17; Travessa da Légua da Póvoa, 9 (Pátio, J-P);

Pátio do Bagatela, Porta J- Porta P;

Travessa da Légua da Póvoa, 9 (Pátio, Q-T) e 13-15;

Pátio do Bagatela, Porta Q- Porta T



Freguesia: Santo António - Lisboa

Fotografia © RÓ MAR






Rua das Amoreiras - Lisboa

Fotografia © RÓ MAR



Rua das Amoreiras - EPAL - Lisboa

Fotografia © RÓ MAR



MUSEU DA ÁGUA - Reservatório da
Mãe d' Água das Amoreiras























Museu da Água - Praça das Amoreiras - Lisboa

Fotografia © RÓ MAR







Largo do Rato, Lisboa (vista do Museu da Água)

Fotografia © RÓ MAR



FUNDAÇÃO ARPAD SZENES - VIEIRA DA SILVA


  
Instituição sediada em Lisboa, destinada à divulgação e estudo da obra dos artistas plásticos Arpad Szenes e Maria Helena Vieira da Silva. 

Com este objetivo, foram criados um museu (que cedeu o edifício a Fundação Calouste Gulbenkian) e um centro de documentação e investigação, abertos ao público.

Existe ainda um núcleo de gravura de Vieira da Silva que inclui também obras de 1990 e 1991, um ano antes da morte da artista.

Está instalado na antiga Real Fábrica dos Tecidos de Seda de Lisboa, um edifício datado do século XVIII.

Contíguo ao jardim das Amoreiras, face ao Aqueduto das Águas Livres, frente à capela de Nossa Senhora de Monserrate e à Mãe d' Água das Amoreiras. 

Faz uma mostra anual apresentando uma temática que permita acompanhar tendências e a evolução da arte moderna.

Descrição: WIKIPÉDIA

Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva 

Praça das Amoreiras - Lisboa

Fotografia © RÓ MAR






Rua das Amoreiras, Lisboa  (vista do Jardim das Amoreiras)

Fotografia © RÓ MAR